Oficina vem promovendo troca de experiências entre os projetos

Entre os dias 11 e 14 de fevereiro, na cidade da Chapada dos Guimarães, Projetos socioambientais de todo Mato Grosso estão recebendo oficinas de capacitação voltadas à qualificação e implementação de projetos de impactos ambientais e sociais relevantes para o estado. Órgãos estaduais e organizações da sociedade civil também acompanham as atividades. A iniciativa faz parte da estratégia para a promoção de Paisagens Produtivas Ecossociais (PPP-ECOS) do Instituto Sociedade População e Natureza (ISPN), que, ano passado, selecionou 32 projetos ecossociais na Amazônia Legal, totalizando um investimento de R$ 6.450.000 (seis milhões, quatrocentos e cinquenta mil reais), dos quais R$2.314.816,43 são destinados só para o estado do Mato Grosso.

Os projetos são de organizações e iniciativas comunitárias que atuam pela conservação da Amazônia por meio do uso sustentável da biodiversidade e pelo fortalecimento das comunidades rurais. As oficinas estão conectando iniciativas por meio de troca de experiências, debates sobre o uso da comunicação para a visibilidade dos projetos, gestão financeira, fortalecimento institucional e a contribuição das iniciativas para a conservação ambiental e o desenvolvimento social.

Além da participação dos representantes de cada projeto e do ISPN, as oficinas contam com a presença de representantes da Secretaria de Meio Ambiente do Mato Grosso (SEMA), do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), da Federação dos Povos e Organizações Indígenas do Mato Grosso (FEPOIMT), da Superintendência Regional do INCRA de Mato Grosso e de representantes da Prefeitura Municipal de Nobres.

Segundo Rodrigo Noleto, coordenador do Programa Amazônia do ISPN, da qual a iniciativa faz parte, a implementação desses projetos é crucial para contribuir com o desenvolvimento socioambiental da região. “Esses projetos são muito importantes para o desenvolvimento local. Garantir que sejam bem executados e autossuficientes significa dizer que a região terá o aumento da geração de renda, maior qualidade de vida, um meio ambiente mais conservado, dentre outros benefícios sociais e ambientais”, pontua.

Além do Mato Grosso, o Maranhão também está recebendo, nesse mesmo período, a oficina para os projetos beneficiados desse estado e do Tocantins. Os recursos para essas iniciativas são oriundos do Fundo Amazônia/BNDES.

Sobre o apoio do PPP-ECOS a projetos socioambientais

 A estratégia do ISPN para a promoção de Paisagens Produtivas Ecossociais (PPP-ECOS) atua para promover a conservação ambiental e o equilíbrio climático aliados ao uso sustentável da biodiversidade, além de fortalecer a segurança alimentar, gerar renda e promover vida digna no campo por meio de diálogos e ações que assegurem o protagonismo comunitário em sintonia com o enfrentamento das desigualdades sociais.

O apoio a projetos socioambientais é uma das principais estratégias do PPP-ECOS, e para viabilizá-la, o ISPN gere um fundo independente que capta e destina recursos a projetos de organizações e grupos comunitários que atuam pela conservação ambiental por meio do uso sustentável dos recursos naturais, gerando benefícios econômicos e sociais. No ano passado, o PPPE-COS lançou seu 25º edital, com recursos do Fundo Amazônia/BNDES, quando selecionou 32 projetos na Amazônia legal, – totalizando R$ 6.450.000 (seis milhões, quatrocentos e cinquenta mil reais) para o investimento em projetos no Mato Grosso, Tocantins e Maranhão.