Cerca de 80 pessoas, entre técnicos e integrantes de organizações e associações, estarão reunidas, até sexta-feira (14), em Imperatriz (MA), representando 20 projetos selecionados pelo ISPN dentro da estratégia para a promoção de Paisagens Produtivas Ecossociais (PPP-ECOS). Ao todo, serão investidos quase R$ 6,450 milhões nos estados do Maranhão, Mato Grosso e Tocantins em ações comunitárias que buscam o uso sustentável da biodiversidade contribuindo com impactos ambientais globais positivos às mudanças climáticas.

A proposta do encontro é que os participantes conheçam e troquem experiências sobre as iniciativas aprovadas na região, identificando oportunidades de articulações entre as instituições e capacitando as organizações executoras sobre a gestão dos projetos, como execução, monitoramento, prestação de contas, estratégias de comunicação, e elaboração dos relatórios de atividades e financeiro.

Os projetos foram selecionados por meio do 25º edital público do Fundo de Promoção de Paisagens Produtivas Ecossociais (PPP-ECOS), com recursos do Fundo Amazônia/ Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Durante a última edição, foram selecionadas 32 propostas, sendo 15 a serem executadas no Maranhão, envolvendo agricultores familiares, assentados, quilombolas, povos indígenas e pescadores.

O PPP-ECOS atua com diferentes questões como raça, etnia, educação, agroextrativismo e juventude, além do incentivo ao protagonismo das mulheres em projetos comunitários. A questão ambiental é aliada às pautas sociais. Os projetos vão beneficiar diretamente cerca de 2.700 famílias.

Uma das iniciativas contempladas foi a da Associação em Áreas de Assentamento no Estado do Maranhão (Assema). “Com o nosso projeto, pretendemos criar uma cadeia de produção e comercialização de polpa de frutas oriundas de sistemas agroflorestais para agregar valor econômico, gerar renda, possibilitar acesso a mercados formais pelas famílias e contribuir para aumentar a biodiversidade nos babaçuais”, explicou a coordenadora da Assema, Silvianete Carvalho.

Para o coordenador do Programa Amazônia do ISPN, Rodrigo Noleto, os projetos vão oportunizar uma melhoria de vida das famílias nas suas regiões de atuação que, por sua vez, atuam pela manutenção dos serviços ecossistêmicos que beneficiam toda a sociedade.

“Nosso olhar ecossocial valoriza meios de vida produtivos e sustentáveis. A estratégia institucional que adotamos para esse caminho é a promoção do PPP-ECOS. Um fundo que atua para promover a conservação ambiental e o equilíbrio climático aliados ao uso sustentável da biodiversidade, além de fortalecer a segurança alimentar, gerar renda e promover vida digna no campo por meio de diálogos e ações que assegurem o protagonismo comunitário em sintonia com o enfrentamento das desigualdades sociais”, ressaltou Noleto.

Além da equipe técnica do ISPN, a programação conta com representantes de instituições do estado do Maranhão, como Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Naturais (SEMA), Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Participação Popular (SEDIHPOP), Secretaria de Indústria, Comércio e Energia (Seinc), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e empresa Suzano.