Trabalhadoras do estado do Maranhão enviam carta de agradecimento ao ISPN pelo apoio para a participação na 6º edição da Marcha das Margaridas

“Gratas por estarem conosco nessa longa caminhada pela emancipação humana”. A carta de agradecimento das 26 organizações – que receberam apoio do ISPN para garantir a ida de mulheres para Marcha das Margaridas 2019 – reflete o compromisso da organização com o empoderamento feminino e a justiça social.  Ao todo, serão 42 mulheres vindas da região Tocantina no Maranhão que se juntarão às milhares de camponesas na luta por visibilidade, reconhecimento social, político e cidadania plena.

O ISPN apoiou a vinda do grupo de mulheres com a garantia de diárias e alimentação. Além disso, a congregação religiosa Irmãs dominicanas de Nossa Senhora do Rosário de Monteils entrou com apoio para o transporte das mulheres do Maranhão até Brasília. “Consideramos de grande importância essa unidade construída entre as mulheres do campo. É necessário construir um projeto que as mulheres sejam protagonistas de sua própria história. E esse apoio das organizações, como o ISPN, viabiliza essa participação das mulheres, pois muitas companheiras não têm autonomia econômica ainda”, conta Gilvânia da Silva do Movimento Sem Terra (MST).

Confira aqui a carta de agradecimento

Marcha das Margaridas 2019

A Marcha das Margaridas é a maior ação organizada por mulheres na América Latina. Realizada de quatro em quatro anos, sua primeira edição foi no ano 2000, em agosto, e esse segue sendo o mês oficial de realização. Em sua 6º edição, 2019, a Marcha acontece entre os dias 13 e 14, quando milhares de trabalhadoras do campo, das águas e das florestas marcharão na capital federal com o lema “Margaridas na Luta por um Brasil com Soberania Popular, Democracia, Justiça, Igualdade e Livre de Violência”.

O nome é uma homenagem a Margarida Maria Alves, sindicalista paraibana assassinada em 1983 a mando de fazendeiros. Margarida lutava pelos direitos das trabalhadoras, pela reforma agrária e pelo direito à terra. Até hoje, nenhum acusado de seu assassinato foi condenado.

“Aproveitamos para parabenizar a Contag, suas federações e sindicatos, que muito se esforçaram para realizar mais esse momento especial na vida das agricultoras brasileiras, que com sua coragem, força e perseverança trazem do campo para a cidade o despertar das Margaridas, da Esperança por dias melhores, que tanto precisamos!”, conta o coordenador do Programa Amazônia do ISPN, Rodrigo Noleto.